sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Pretexto para tudo!



Umidade relativa do ar na casa dos 30%, quando o ideal seria 60%. 

Nos últimos dias a gente tem ouvido e muito esta  informação de meteorologistas e jornalistas. O que esses profissionais passam de "orientação' é que não se concretiza. 
Pedem para não  promovermos queimadas,pois esse tipo de atitude prejudica o ar que já está comprometido.

Justamente o que mais se vê nesta época são donos de terrenos, motoristas irresponsáveis e até cidadão que,por sinal, não merecia este título, ateando fogo em mata.

 Que pena desse meio ambiente que vive neste meio inconveniente.
Não é cabível este tipo de atitude!

Há pelo menos duas semanas tenho retornado do trabalho para a casa  e no caminho avistado muitos focos de incêndio. Na última quarta-feira foram pelo menos quatro incêndios em propriedades grandes. Um deles, prejudicava a vista do motorista que passava na via Dutra. 

Lembro que  atear fogo ao mato é crime ambiental passível de penalização com multa, cujo valor varia de R$ 500 a R$ 1 milhão, dependendo do agravante, e prisão de três a seis anos. Sanções estão previstas no artigo 41 da Lei nº 9.605/98.

O valor da multa varia de acordo com o tamanho da área atingida pelo fogo, se é de proteção ambiental, área de preservação permanente (APP), perto de minas de água, rios, cada uma segue uma determinação específica. Já quem ateia fogo em terrenos baldios pode ser penalizado com multa de 30 UFIRs, como previsto na Lei Municipal nº 2.809 de 1996.


Lembro também que de nada adianta dizer que o incêndio é criminoso. O crime maior é a herança que esses imprudentes deixam para as futuras gerações.

Uma nova frente fria vai chegar nos próximos dias.  Por enquanto, é o melhor remédio para castigar menos o meio ambiente. As áreas de instabilidades devem trazer chuva .

Mudança no tempo, falta só mudança de atitude.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Rio Paraíba do Sul: O pai de 14 milhões de pessoas

O Rio Paraíba do Sul tem 1.120 km, abastece três estados (São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais).São 14 milhões de pessoas que recebem diariamente a água desse gigante em suas casas, comércio, escolas, igrejas e  hospitais.

A cada segundo há esgoto in natura sendo jogado nessas águas que lutam pra manterem vivas espécies de peixes  como Mandi e a Piabanha,esta última é o considerada o símbolo do Paraíba do Sul.

Relatório da CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, aponta que em 2012 o Índice de Vida Aquática do Rio no trecho do Vale foi considerado ótimo em quase todas as cidades.A única que ainda tem o desafio pela frente de tratar o esgoto é Aparecida. 

Aparecida inaugurou no último mês de julho a ETE ,Estação de Tratamento de Esgoto. O desafio é tratar o esgoto vindo de residências, hotéis, restaurantes e outros comércios. Estamos falando do esgoto gerado por 12.036 milhões de pessoas  todos os anos. São 12 milhões de romeiros e 36 mil habitantes.

Há capacidade para isso?Não há dúvidas.O projeto de R$22 milhões foi custeado pelo governo do Estado e se-trata de um dos mais inovadores utilizados atualmente no mundo.

O que  entristece  é o fato do tratamento 100% do esgoto ainda não ser  realidade na maioria dos municípios da Região Metropolitana do Vale e Litoral Norte.

Alguns estão lutando pra isso. Destaco  São José dos Campos, Jacareí, Tremembé e Taubaté. Há outros que já conseguiram essa façanha  .São eles : Queluz e Lavrinhas.

Há outros que ainda não tratam. É o caso de Cunha ,por exemplo. 

Neste primeiro semestre de 2013 tive a oportunidade de produzir o programa Vale Ecologia sobre o Rio Paraíba do Sul, que foi exibido pela tv Band Vale. Abaixo seguem os links deste programa. 


Assistam !


Obrigada  e boa semana!




sábado, 10 de agosto de 2013

Quanto carro no mundo!

Olá amigos, tudo bem?

Bom, eu poderia dizer que está. Mas ontem enfrentei uma daquelas filas de congestionamentos de cidade grande estando no interior. Estava a caminho de academia. Fiquei pouco tempo parada no local,mas o bastante para perceber que há um carro por pessoa, não  um carro por família. Estava na porta de uma escola, no horário de saída dos alunos.Já imaginaram que beleza! Alguns pararam em fila dupla, o que piorou ainda mais a situação.

O problema não é ter um carro.  O problema é que ,pelo que  sei, muitos moram  a um ou dois quarteirões da escola. 
É pouco demais para judiar do corpo e  do mundo.

Não sou eu quem faço um apelo. São os números que comprovam que a venda de veículos no país tem chegado a níveis históricos, assim como o congestionamentos.
Somente no mês de abril foram comercializadas 333 mil unidades no Brasil. Este ano já há mais de 1,5 milhão de carros a mais nas ruas.  
Em junho de 2012, São Paulo chegou a 292 quilômetros de congestionamento.  É quase que  ir e voltar  de Guaratinguetá a São Paulo,capital.
O meio ambiente está implorando por conscientização. 
Eu também! Que tal, para cada carro uma árvore.
Troca justa.
Pensem nisso!